Ebbe Linden fala sobre mudanças no Second Life e mais do Project Sansar

O Second Life continuará evoluindo, e o Project Sansar será uma plataforma completamente diferente pensada desde o início com outros direcionamentos.

0
38

Em entrevista ao programa Lab Chat com Jo Yardley e Saffia Widdershins, Ebbe Linden, CEO da Linden Lab, falou sobre mudanças que estão ocorrendo no Second Life e novas informações sobre o novo metaverso em desenvolvimento, Project Sansar.

A entrevista no vídeo acima, em inglês, está dividida em 3 partes.

Mas separamos para você alguns pontos que chamaram mais a atenção!

Terrenos e regiões

mapa-sl

O Second Life está praticando uma nova política de preços de ilhas e regiões (você pode conferir os valores em um post anterior que fizemos aqui), cortando significativamente os custos necessários para criar ambientes dentro do metaverso. Isso além de incentivar novos locais, impulsiona a criação de conteúdo in-world.

Ebbe disse que o Project Sansar já começa com uma nova filosofia inclusive na monetização de regiões, e que está sendo estruturado de maneira que fique muito mais acessível para quem quiser criar suas próximas experiências dentro do novo metaverso.

Monetização

sl-marketplace

O Second Life foi criado com as prioridades da época. A tecnologia avançou muito, e o método de monetização mudou completamente. Project Sansar terá outros direcionamentos para monetizar e sustentar a plataforma. Ebbe não entrou em detalhes, mas certamente não será com base na venda e manutenção de regiões e ilhas que a Linden Lab pretende focar o faturamento com seus residentes.

Acreditamos que Project Sansar deve ter uma monetização direcionada a comissões com um política semelhante ao Marketplace e o que é praticado em taxas mais próximas de lojas de aplicativos mobile como a AppStore e Google Play, além de cobranças de micro-transações entre experiências criadas pelos usuários.

Experiência

linden-experiences

Perguntado sobre o que fazer para melhor a experiência no Second Life principalmente de novos usuários, Ebbe disse que a Linden vem tentando reproduzir novos locais e observando o que outros avatares experimentam e relatam. Declarou que é muito importante que os avatares deem feedback sobre problemas e coisas positivas no metaverso, e que até então as Welcome Areas do Second Life evoluíram muito para tentar melhorar a curva de aprendizado in-world, que como bem sabemos pode ser bem complicada no começo.

Ebbe afirmou ainda que a experiência é o foco do Project Sansar, que não deve ter um direcionamento de regiões utilizando o conceito de mapa, por exemplo. Ao contrário do Second Life, a preocupação da Linden Lab com o Sansar é o de proporcionar instrumentos para criar diferentes tipos de experiência da maneira mais acessível possível, e não o do criar ilhas e regiões respeitando a representação de mapas estruturalmente.

O Project Sansar atualmente está em fase beta-fechada para poucos avatares e não existem muitas informações divulgadas. O CEO da Linden Lab afirmou que deve abrir uma fase mais aberta do metaverso entre Junho e Julho de 2016, e que deve abrir para o público em geral em uma fase de mercado em Dezembro de 2016.

Tudo sobre realidade virtual e metaversos como Second Life e Project Sansar você fica sabendo com Virtualogia. Curta no Twitter e siga-nos no Facebook.